Aguarde...

Cuiabá, 22/05/2024
Entrar

Em mensagem, Braga Netto critica Comandante do Exército por rejeitar plano golpista: "Cagão"

Por Matheus Rocha, 08/02/2024 às 16:37 em Política

Mensagens obtidas pela Polícia Federal nos celulares de alvos da operação desta quinta-feira mostram que o general Walter Braga Netto, ex-ministro da Defesa e vice na chapa de Jair Bolsonaro em 2022, proferiu uma série de xingamentos e ofensas a integrantes da cúpula das Forças Armadas que não aderiram aos planos de golpe de estado.

 

Em uma das mensagens, Braga Netto se refere ao general Freire Gomes, então comandante do Exército, como "cagão", e pede para que a cabeça dele seja oferecida. Os diálogos estão na decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que autorizou a operação realizada nesta quinta-feira pela PF. Procurado, o ex-ministro da Defesa não retornou aos contatos.

 

"O investigado WALTER SOUZA BRAGA NETTO, inclusive, chegou a encaminhar para AILTON GONÇALVES MORAES BARROS mensagem que teria recebido de um 'FE' (Forças Especiais), com a seguinte afirmação: 'Meu amigo, infelizmente tenho que dizer que a culpa pelo que está acontecendo e acontecerá e do Gen FREIRE GOMES. Omissão e indecisão não cabem a um combatente'. Em resposta, AILTON BARROS sugere continuar a pressionar o General FREIRE GOMES e caso insistisse em não aderir ao golpe de Estado afirmou 'vamos oferecer a cabeça dele aos leões'. O investigado BRAGA NETTO concorda e dá a ordem: 'Oferece a cabeça dele. Cagão'", diz transcrição incluída na decisão do ministro."

 

Ailton Barros, com quem Braga Netto trocou mensagens sobre Freire Gomes, é um ex-militar, que foi candidato a deputado estadual pelo PL, partido de Bolsonaro.

 

Segundo Moraes, Braga Netto, inclusive, "chegou a encaminhar para AILTON GONÇALVES MORAES BARROS mensagem que teria recebido de um " FE" (Forças Especiais), com a seguinte afirmação: "Meu amigo, infelizmente tenho que dizer que a culpa pelo que está acontecendo e acontecerá e do Gen FREIRE GOMES. Omissão e indecisão não cabem a um combatente". 

 

Bolsonaro reuniu os chefes das Forças Armadas para apresentar uma minuta golpista no início de dezembro. Na ocasião, segundo a delação premiada de ex-ajudante de ordens Mauro Cid, o almirante Almir Garnier Santos, então comandante da Marinha, teria dito ao ex-presidente que seus homens estavam prontos para aderir a um chamamento. Já o general Freire Gomes, afirmou que não embarcaria em um eventual plano golpista.

 

O ex-ajudante de ordens disse à PF, de acordo com os relatos feitos ao GLOBO, que a ideia não foi colocada em prática devido à falta de apoio tanto do general quanto do comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Junior.

 

TEMPUS VERITATIS 

 

 

Nos diálogos, Braga Netto ainda profere comentários depreciativos sobre o ex-comandante da Força Aérea Brasileira, o tenente-brigadeiro Baptista Júnior. Em 15 de dezembro de 2022, em mensagem a Ailton Barros, o ex-general o orienta a atacar Baptista Júnior, a quem adjetivou de "Traidor da pátria". Nas mensagens, ele ainda elogia o ex-comandante da Marinha Almir Garnier.

 

"As referidas mensagens vão ao encontro, conforme aponta a Polícia Federal, dos fatos descritos pelo colaborador MAURO CID, que confirmou que o então Comandante da Marinha, o Almirante ALMIR GARNIER, em reunião com o então Presidente JAIR BOLSONARO, anuiu com o Golpe de Estado, colocando suas tropas à disposição do Presidente, tudo de acordo com as imagens acima lançadas", diz Moraes.

 

Moraes aponta, na decisão, que as conversas "evidenciaram a participação e adesão de Braga Netto "na tentativa de golpe de Estado, com forte atuação inclusive nas providências voltadas à incitação contra os membros das Forças Armadas que não estavam coadunadas aos intentos golpistas, por respeitarem a Constituição Federal".

 

© 2023-2024 Todos os direitos reservados Acocpa